segunda-feira, 30 de maio de 2011

Pl 122, Sou contra, e você?



Sou contra o PL 122/2006, quero ter o direito de criticar e ser criticado!

Pr. Samuel Câmara em entrevista ao Diário do Pará edição de 29 de maio de 2011

A União dos Blogueiros Evangélicos publicou um entrevista do pr. Samuel Câmara, pastor presidente da igreja mãe em Belem do Pará.
Segue a matéria, transcrita do arquivo em PDF publicado em http://ee.diariodopara.com.br/, página A8.

Nessa entrevista, Câmara fala da festa comemorativa da denominação, cristãos na política, adoção de crianças por homossexuais e a resolução do Supremo Tribunal Federal na questão da união civil de gays.


Por Ismael Machado

Um desafio para além do centenário: unir irmãos da grande igreja.

O comandante das ações que marca os cem anos da Assembleia de Deus expõe bastidores das comemorações e esboça um futuro onde cabem ciência e a união de ramificações cristãs.


À frente de um momento histórico para a igreja que comanda, o pastor Samuel Câmara, 54 anos, avalia que, passada a festividade do Centenário da Assembleia de Deus, é hora de arregaçar as mangas para novos desafios, entre eles o de unir as diversas tendências que hoje dividem a igreja. Desafio que ele entende ser plenamente capaz de vencer. Afinal, desde que assumiu a presidência da Assembleia de Deus, em janeiro de 1997, viu a igreja pular a mais de 370 templos.

Graduado em Teologia pelo Instituto Bíblico das Assembleias de Deus em Pindamonhagaba (SP), licenciado em Filosofia e Pedagogia, bacharel em Direito e autor dos livros “Administração Eclesiástica” (esgotado) e “Bíblia e Jornal” Câmara defende ideias firmes em assuntos polêmicos, como a adoção de crianças por casais homossexuais e a participação política dos membros da igreja. Durante fiscalização das obras do Centro de Convenções do Centenário, cedeu a seguinte entrevista ao DIÁRIO.

P: Como estão os preparativos finais para p Centenário das Assembleias de Deus?

R: A todo vapor. Estamos nos preparando para festejar o centenário marcando a nossa cidade. Estamos entusiasmados com o número de pessoas, com as caravanas que se preparam para vir. É muito grande a repercussão no Brasil e no mundo. Posso dizer que somos abençoados. Os hotéis já estão começando a ficar reservados. Já há reserva de 20 mil vagas em acampamentos e em casas. Teremos no mínimo uma caravana de cada Estado. Só do Acre virão cinco ônibus.

P: A previsão é de quantas pessoas?

R: Nos três dias esperamos umas 450 mil pessoas. Veja bem, sem repercussão de centenário já lotamos o Mangueirão... nós temos 100 mil fiéis só em Belém. No Estado todo são 750 mil.

.
P: Recentemente houve celeuma entre setores mais conservadores da Assembleia de Deus, que chamam vocês de idólatras...

R: Houve uma divisão. Nós representamos um segmento de vanguarda, de capital. Há quem veja isso como se fôssemos vaidosos ou como se houvesse falta de religiosidade. Mas temos que entender que somos grandes, temos várias divisões. A Assembleia de Deus é quem mais gerou outras igrejas a partir dela mesma. Somos uma raiz frondosa . Agora, como existe em qualquer segmento, existem os mais moderados e os mais avançados. Somos conservadores no trato da espiritualidade. Se eu fosse avaliar o comportamento deles, poderia dizer que eles seriam fariseus, ou seja, cultuam mais a forma do que o conteúdo. Para quem é grande, há sempre dificuldade com a redondeza, com a periferia. Isso se acentua mais no Pará, porque tem municípios distantes, onde o povo se veste de forma diferente. Só que não podemos nos engessar numa forma. A Assembleia de Deus é a igreja mais diversificada que existe. Tem espaço para todos os grupos e tendências. Se uma pessoa se veste de uma forma mais ou menos diferente, não importa. O que importa é a decência.

P: O senhor escreveu um artigo dizendo que não iriam roubar de Belém o Centenário...

R: Nós somos a igreja-mãe. E vamos celebrar isso. Nós já fomos espoliados no Sul e no Sudeste do Brasil. Estávamos excluídos das celebrações porque diziam que Belém não tinha estrutura para isso. Mas estamos honrando o nosso centenário. O Centro de Convenções foi construído em um ano. Construímos o Museu Nacional, único nesse gênero. Vamos receber gente do Brasil e do mundo e mostrar que Deus não errou quando escolheu Belém para iniciar essa obra.


P: Finda a comemoração do Centenário, quais são as metas e desafios que se impõem?

R: Internamente é a de provocar o entendimento maior entre os diversos segmentos e tendências da igreja. A Assembleia de Deus é um movimento com várias matizes. Precisamos fazer com que esses segmentos se entendam. Externamente é manter a dedicação missionária a todos os brasileiros, buscar a felicidade deles e da opção de viver abençoados à ideia de Deus, uma felicidade física e espiritual. Vamos manter uma posição agressiva de trabalho missionário. A Assembleia de Deus não é uma igreja metropolitana. Ela não está onde está o resultado econômico. É importante dizer isso, porque ela é maior do que os indivíduos. Eu sirvo agora, mas outros serviram antes de mim e outros servirão depois. Não temos centralização de qualquer forma, seja política ou econômica. A autonomia da igreja está acima de qualquer órgão.

P: O perfil da igreja vem mudando...

R: Sim. Entre as metas também está a de que vamos utilizar a ciência e a tecnologia. Temos o dever de usar esses meios. Durante muito tempo fomos avessos e contrários a isso. Já pregamos que o rádio era do Diabo, que a TV era uma caixa do Diabo, mas já nasceu um movimento representado por uma geração mais nova de que não é a ferramenta o mal e sim o conteúdo. Nós não queremos dominar o Brasil, mas queremos dar alternativas de fé cristã, seja na internet, no rádio, na TV. Se descobrirem uma civilização em Marte vamos comprar um Sputinik para levar Deus até lá. Quanto à ciência, os evangélicos sempre foram os mais avançados em relação a isso. Os países onde a fé protestante se disseminou são os mais avançados na pesquisa científica. Acreditamos que a ciência está a caminho de uma perfeição e com isso chegará a Deus. Antes riam quando falávamos que Deus criou Eva a partir da costela de Adão. Hoje se chama a isso de clonagem.


P: Diante disso, dessa mudança de perfil, como fica a participação política?

R: Hoje temos, só no Norte do Brasil, 52% de evangélicos, de todas as tendências. É uma comunidade tão grande, que responde, no mínimo por 10% da população brasileira, que não pode ficar alheia e omissa nas instâncias de poder. Achamos que é justo e legal que participemos na proporção daquilo que somos, para contribuir com ideias, com trabalho. Nós adicionamos na nossa vida um exercício de fé sistemático e comprometido. Não se discute mais se vamos ou não participar e sim de que forma.

P: Podemos pensar, por exemplo, num futuro prefeito de Belém ligado à Assembleia de Deus?

R: Nós temos uma relativa dificuldade para aglutinar. Somos descentralizados. Nós somos como um transatlântico, não fazemos curvas bruscas, fazemos curvas devagar, mas nós influenciamos muito e somos namorados por todos os pretendentes a cargos públicos, mas é claro que queríamos ver nossos filhos nessa situação.

P: Quais são os pilares políticos da igreja?

R: Democracia, família constituída do gênero homem e mulher, liberdade de expressão, da imprensa, inclusive, e desenvolvimento social voltados aos menos favorecidos, aos que não têm o que comer.

P: Como a igreja avalia a união estável entre homossexuais?

R: Estamos preocupados com a guinada do Superior Tribunal Federal, porque cultura, natureza e princípios não se mudam e princípios não mudam com uma canetada. A natureza diz que se deve discriminar ninguém, mas não podemos ficar omissos a uma aparente onda de admissão de uma aparente desvantagem de um grupo. O natural é que um homem se enamore de uma mulher e possa perpetuar-se nos filhos. Se a família for desestruturada, a família e a igreja desaparecem. Preocupamos-nos nesse momento pelas crianças. Como elas serão originadas? No momento em que se permite que se adote uma criança a partir de uma relação homoafetiva, elas terão essa visão: por que não fui gerado nem fui abraçado por uma mulher e um homem? Isso nos preocupa.
__________

É isso.

Essa postagem tem caráter informativo, não está à reboque de preferências partidárias na política eclesiástica assembleiana.

E.A.G.

sexta-feira, 27 de maio de 2011

Moeda de troca, sera?

Veja a noticia abaixo e depois leia o pensamento desse blogueiro, seria moeda de troca?

Após protestos das bancadas religiosas no Congresso, a presidente Dilma Rousseff determinou nesta quarta-feira (25) a suspensão do "kit anti-homofobia", que estava sendo elaborado pelo Ministério da Educação para distribuição nas escolas, informou o ministro da Secretaria-Geral da Presidência, Gilberto Carvalho.

"O governo entendeu que seria prudente não editar esse material que está sendo preparado no MEC. A presidente decidiu, portanto, a suspensão desse material, assim como de um vídeo que foi produzido por uma ONG - não foi produzido pelo MEC - a partir de uma emenda parlamentar enviada ao MEC", disse o ministro, após reunião com as bancadas evangélica, católica e da família.

Segundo ele, a presidente decidiu ainda que todo material que versar sobre "costumes" terá de passar pelo crivo da coordenação-geral da Presidência e por um amplo debate com a sociedade civil. "O governo se comprometeu daqui para frente que todo material que versará sobre costumes será feito a partir de consultas mais amplas à sociedade", afirmou.

Segundo o ministro, a determinação do governo não é um "recuo" na política de educacional contrária à homofobia.

"Não se trata de recuo. Se trata de um processo de consulta que o governo passará a fazer, como faz em outros temas também, porque isso é parte vigente da democracia", disse.

De acordo com Carvalho, Dilma vai se reunir nesta semana com os ministros da Educação, Fernando Haddad, e da Saúde, Alexandre Padilha, para tratar do material didático.

"A presidenta vai fazer um diálogo com os ministros para que a gente tome todos os devidos cuidados. Em qualquer área do governo estamos demandando que qualquer material editado passe por um crivo de debate e de discussão e da coordenação da Presidência".

FONTE: Saiu no Globo.com (Portal G1 de Notícias)


Pensamento desse blogueiro, a noticia acima é motivo de alegria, mas vamos ao fato de que se os parlamentares condicionaram a proibição do Kit, com a possivel liberação do Ministro Palocci, é algo que não reflete bem para a imagem dos parlamentares que dizem ser evangélicos.
Se a notícia acima procede, penso que a bancada evangélica deve explicações, justificativas convincentes que venham esclarecer tais fatos à igreja.
"Vós sois a luz do mundo; não se pode esconder uma cidade edificada sobre um monte"

quarta-feira, 25 de maio de 2011

Bancada religiosa na Câmara quer a demissão do ministro Fernando Haddad


BRASÍLIA - Reunidos no final da tarde desta terça-feira, a bancada de evangélicos e católicos da Câmara defenderam a renúncia ou a demissão do ministro da Educação, Fernando Haddad. Os religiosos estão revoltados e acusam Haddad de ter descumprido a palavra a respeito da discussão sobre o material de combate à homofobia nas escolas. Na semana passada, Haddad reuniu-se com essa bancada , na Câmara, e afirmou que desconhecia o material (três vídeos e material impresso), mas aceitou a indicação de parlamentares desse grupo para participar da discussão sobre esse tipo de material. No final de semana, o ministro afirmou que teve acesso a esse material e que não entendeu haver os problemas apontados pelos religiosos , que o considerou uma apologia ao homossexualismo e que, ao contrário de seu propósito, estimulava a homofobia. Evangélicos e católicos afirmaram-se que se sentiram traídos e querem a demissão de Haddad.

O líder do PR, Lincoln Portela (MG), da base do governo, apresentou a proposta da demissão, aplaudido pelos 35 parlamentares desse grupo que estava reunido.

"Nossa paciência chegou ao fim com esse ministro. Nós representamos 50 milhões de brasileiros. Não o queremos no ministério"

Bancadas evangélica e católica se reúme na Câmara.
Foto: Ailton de Freitas


- Nossa paciência chegou ao fim com esse ministro. Nós representamos 50 milhões de brasileiros. Não o queremos no ministério. As pessoas só nos amam de duas maneiras: ou nos respeitam ou nos amam - disse Lincoln Portela.

O deputado Garotinho (PSB-RJ), evangélico, chegou a defender a convocação do ministro da Casa Civil, Antonio Palocci, como uma forma de atingir Haddad.

- Estamos dando fôlego a esse governo. Nossa decisão precisa ser política. Se eles querem salvar o Palocci, nós queremos salvar a família brasileira. Vamos trazer o ministro e ir a Dilma e exigir que demita o Haddad - disse Garotinho.

Lincoln Portela foi contra a convocação de Palocci e defendeu o ministro no caso do aumento de seu patrimônio a partir de consultorias quando era deputado.

Presente na reunião, o senador Magno Malta (PR-ES), evangélico, ameaçou abandonar a base do governo.

- Se tiver que esticar a corda, vamos esticar. Se tiver que votar contra o governo ou deixar a base, vamos assim decidir. . Esses filmes do Ministério da Educação mostram uma verdadeira academia de homossexuais. Vou fazer um discurso contra o Haddad. Vou bater para sangrar - disse Malta.

Fonte: Globo.com
© 1996 - 2011. Todos os direitos reservados a Infoglobo Comunicação e Participações S.A.

segunda-feira, 23 de maio de 2011

Ultimos dias



Irmãos e amigos, essa semana é de suma importancia, pois já na próxima semana, na quarta feira dia 01/06, é o dia de ir Brasilia (quem puder) e protestar de forma pacifica e ordeira contra a PL-122.

Nessa semana vamos enviar o maior numero possivel de emails sobre o baixo assinado, www.peticaopublica.com.br/?pi=P2011N9558 e tambem vamos mandar mensagens aos senadores, deputado e principalmente aos orgãos de imprensa.
É hora de moblilização TOTAL CONTRA PL-122

sábado, 21 de maio de 2011

O kit anti-homofobia e as inverdades do ministro da Educação.

O ministro Fernando Haddad, da Educação, encontrou-se ontem com deputados católicos e evangélicos para conversar sobre o kit gay — também chamado “anti-homofobia” — que o governo federal pretende distribuir nas escolas. Uma comissão de parlamentares será formada para examinar o material. É a primeira vez que brasileiros não-gays estão sendo chamados a debater o assunto. Até havia pouco, a questão estava entregue apenas a ONGs estrangeiras e à militância gay, como se o público-alvo do programa não fosse o conjunto dos estudantes. Seja para discutir floresta, seja para discutir sexo, o Brasil parece um laboratório de teses de organizações estrangeiras, que se comportam como legítimas representantes do povo, embora não tenham sido eleitas por ninguém. Curiosamente, em seus países de origem, não conseguem aprovar algumas das propostas que tentam ver implementadas aqui — na floresta ou no sexo…

Haddad, um dos pré-candidatos do PT à Prefeitura de São Paulo, parece ter descoberto que precisa de voto caso seja o escolhido do partido para disputar o cargo, conforme gostaria Lula. Só com a simpatia dos meios de comunicação e dos homossexuais militantes, talvez não lograsse o seu intento. Aos congressistas, assegurou que filmes e cartilhas que circulam por aí ainda não são de responsabilidade do Ministério. Teria vazado das organizações contratadas para produzir o material. Conversa mole, e ele sabe disso muito bem. Pode ainda não ser o produto final, mas tudo foi elaborado sob o comando do governo federal.

Quem coordenou os trabalhos foi a Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade (Secad), órgão ligado ao MEC, mas quem se encarregou da produção propriamente foram a Global Alliance for LGBT Education (Gale), uma fundação holandesa; a Pathfinder do Brasil, associada à Pathfinder Iternational, dos EUA; a Reprolatina, entidade brasileira que trabalha em parceria com a Universidade de Michigan, e duas outras ONGs ligadas à miitância homossexual: a Ecos - Comunicação em Sexualidade e a Associação Brasileira de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais.

Perceberam? A sexualidade das crianças brasileiras seria assunto importante demais para ficar sob o cuidado dos nativos — a menos que sejam gays. Isso lhes parece razoável? Infelizmente, Haddad está contando o oposto da verdade. O material vazou, sim, mas o MEC acompanhou tudo no detalhe. E é fácil provar.

No dia 31 de março, publiquei aqui o vídeo que segue abaixo. Reproduz parte da sessão da Comissão de Legislação Participativa da Câmara, ocorrida no dia 23 de novembro de 2010. Apresentou-se ali o tal material didático sobre homossexualidade. O destaque da sessão é a intervenção de André Lázaro, então secretário de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade do MEC. Ao discutir um dos filmes que o ministério pretende exibir nas escolas, ele deixa claro que houve uma certa hesitação da equipe: “Até onde entrava a língua” num beijo lésbico. Essa era a única dúvida. As palavras são dele, como vocês podem ver, não minhas. Lázaro não está mais no Ministério da Educação. Agora ele é secretário executivo de Direitos Humanos da Presidência da República. Na sessão, também foi apresentado o filme em que um adolescente chamado José Ricardo diz ser, na verdade, “Bianca”. O vídeo é bem ruim, mas é bastante ilustrativo. ISSO PROVA A VERDADE DAS PALAVRAS DE HADDAD. Volto depois do vídeo. Se você já o viu, continue no texto.

Voltei
A Folha noticiou a reunião do ministro com os representantes do povo. Hélio Schwartsman, colunista do jornal, não gostou. É um senhor que costuma escrever coisas pertinentes, menos quando se deixa conduzir pelo dogmatismo anti-religioso. Como funcionário de uma obsessão, é capaz de dizer grandes besteiras. Num texto que mereceu a rubrica “Análise”, escreveu o que vai em vermelho. Comento em azul.

Chamar a bancada da Bíblia para discutir o conteúdo de um programa anti-homofobia só é uma boa idéia se o objetivo for não fazer nada.
Chamar os deputados católicos e evangélicos de “Bancada da Bíblia” revela o lado “Bolsonaro intelectualizado” de Schwartsman. É uma pecha, não uma expressão analítica. Seria o mesmo que chamar os parlamentares que defendem o material de “Bancada dos Veados”.

A democracia tem pegadinhas. Em tese não há nada mais democrático do que ouvir todos os envolvidos numa questão e tirar um consenso.
Mas, na prática, o método só funciona se não há desavença relevante, o que é raro.
É uma revolução no conceito de democracia, que o articulista propõe substituir, então, pelo “quem pode mais, chora menos”. A verdade é que não há impasse nenhum. Por que não se submete a questão ao crivo da sociedade? Com efeito, não há consenso. No caso do material didático, trata-se de uma minoria tentando impor sua vontade à maioria. Mas atenção para o grande momento do texto do articulista. Ele vai dividir o mundo, agora, em duas metades.

O problema é que a sociedade não é homogênea. Enquanto certos grupos, por razões que lhes parecem legítimas, como “seguir a palavra de Deus”, permanecem irredutivelmente homofóbicos, outros estão convictos de que é moralmente errado definir a cidadania de alguém por hábitos sexuais ou outras características incidentais, como a cor da pele e a própria fé.
Para Schwartsman, a única clivagem possível nesse debate se dá entre os “homofóbicos”, que “seguem a palavra de Deus”, e os iluminados, como ele, que acham “errado definir a cidadania de alguém por hábitos sexuais”. E quem acha isso certo? Ele descarta que possa haver não-homofóbicos que discordem da abordagem; ele descarta que possa haver homossexuais que repudiem a forma como se pretende fazer o debate nas escolas; ele descarta que possa haver agnósticos e ateus que igualmente rejeitem as escolhas do governo; ele descarta que possa haver simplesmente quem se oponha a esse grau de intromissão do estado na vida das famílias e dos indivíduos. Não é que ele seja especialmente simpático aos gays; é que ele é notoriamente hostil às religiões.

Muitos especialistas em educação antevêem, em debates privados, sérios dissabores em sala de aula quando o material chegar às mãos dos alunos. Há quem tema que preconceitos se exacerbem em razão da falta de habilidade daqueles que serão convertidos, da noite para o dia, em psicólogos e “teóricos da homoafetividade”. Quem já pisou numa sala de aula sabe como temas nessa natureza podem avançar facilmente para a piada e a chacota — no Brasil ou na Holanda. E por que esses especialistas silenciam? Porque temem a patrulha dos gays e da imprensa. Se Schwartsman, que tem janela, faz uma oposição tosca e populista (populismo junto aos descolados) como a que se lê acima, imaginem como agiriam aqueles bem menos espertos do que ele. Sigamos.

Impasses como esse, atrelados a princípios vistos como inegociáveis, só são solucionados através de decisões arbitrárias, que necessariamente estabelecem vencedores e perdedores.
Ou Schwartsman diz de quem será o “arbítrio”, ou terei de concluir que está com saudades da ditadura.

Idealmente, os casos mais emblemáticos seriam resolvidos no Parlamento. O problema aqui é que o próprio Congresso reflete, e de forma exagerada, as heterogeneidades sociais, de modo que é o primeiro a imobilizar-se diante de temas polêmicos.
Entendi. Ele acha que o problema do nosso Parlamento é ser representativo da sociedade — uma representatividade “exagerada”!!!

Nessas situações, é preciso que surjam autoridades do Executivo ou Judiciário que se disponham a enfrentar o ônus político da decisão, como o fez o STF, ao estender a casais homossexuais os efeitos da união estável.
O STF não enfrenta ônus político nenhum porque todos os que lá estão têm emprego garantido até os 70 anos e não dependem do voto de ninguém. O articulista nos dá mais uma lição de democracia: se o Congresso não resolveu, então que o Executivo e o Judiciário atuem. Segundo entendi, devem fazê-lo mesmo exorbitando de suas funções e surrupiando prerrogativas que são do outro Poder.

A democracia não tem o dom de eliminar o conflito da sociedade. Ela apenas procura discipliná-lo, de modo a que as disputas se resolvam por vias institucionais e não as de fato. Funciona, desde que não falte coragem para definir perdedores.
No caso do STF, que decidiu contra a letra explícita da Constituição, a “via institucional” consistiu em violar as instituições. Mas, admito, nesse caso, há espaço para algum debate. O que me encantou no desfecho do artigo de Schwartsman foi a conclusão — assim, meio blasé — de que, na democracia, alguém sempre perde.

Pois bem: digamos que ele estivesse certo naquela divisão que estabeleceu entre os “homofóbicos que crêem em Deus” (os homens maus) e os que não querem discriminar ninguém (os homens bons); digamos ainda que, sempre segundo os seus critérios, os “homens maus vençam”. A definição dos “perdedores”, nessa hipótese, continuaria no escopo da democracia, ou o articulista só classifica assim um regime quando vencem aqueles com os quais ele concorda?

Encerro
A isso chegamos. Schwartsman já escreveu textos respeitáveis na Folha — mesmo quando discordei, achei que a leitura valia a pena. Desta feita, ele preferiu não pensar; quis apenas ser o homem bom contra os homens maus. E chegou a conclusão que a democracia pode ser um obstáculo à realização do bem. É o que pensa qualquer tirano mais burro do que ele, mas com mais coragem para pôr em prática as idéias que ele enuncia.

Por Reinaldo Azevedo

Comentário do Pr. Silas sobre a PL-122

Silas Malafaia comenta a situação atual da Pl-122

Se tem algum líder espiritual que realmente esta engajado na luta contra esta nefasta lei que é Pl-122 desde do inicio que autora e ex relatora: Ex-Deputada federal Iara Bernardi dessa sufocante lei , é o Pr Slias Malafaia, que sem medo de se expor e manifestar sua opinião contraria a essa ignomínia que soa mais como uma nova implantação de uma ditadura gay, que eles querem impor goela abaixo dos cidadão de bens e em especial ao cristão por ser abominável ao princípios cristãos, e um ameaça para quem exercer o chamdo de pregar a palavra de Deus.

O Pr Silas já participou de vários programas na televisão defendo o povo Cristão, e admiravelmente ainda foi criticado por muito que se dizem irmãos, que se dizem cristãos.
Povo de Deus é hora de acordar, e hora de se militar e sair em defesa de seus direitos, dos direitos de uma sociedade sã e livre qualquer tipo de repressão que fere os direito de ir vir que é garantido pela nossa constituição, caso você se cale, isso significa se acovardar, assista ao vídeo e reflita e veja se você realmente conhece os seus diretos como cidadão e se esta o exercendo, para ser cidadão, não significa ser um cristão que não esta nem ai para o que acontece, diga não ao PL 122, manifeste sua voz com passividade e dignidade de um cidadão de bem!

ASSISTA AO VÍDE E TOME SUA DECISÃO, DE QUE LADO VOCÊ ESTA?



sexta-feira, 20 de maio de 2011

Felicidade

Aos amigos e irmãos que acompanham esse blog, me permitam fazer uma postagem diferente hoje.

No dia 20 de maio de 1971, na cidade de Pranchita, Paraná, o casal Verner Gollmann e Nilza Gollmann estavam jubilosos pela chegado do primeiro filho, que deram o nome de JAIRO ELIN GOLLMANN.

Louvo a Deus pela vida deste casal abençoado, que deste cedo me ensinaram os caminhos do Senhor, hoje ao completar 40 anos posso dizer, obrigado pelos conselhos, pelas orações e interseções junto a Deus pela minha vida. Pai, mãe, amo vocês.

Agradeço também pela minha querida esposa, a irmã Elizabete Beatriz, que tem sido uma guerreira ao meu lado, fazendo a obra de Deus. Minha princesa beijão, te amo.

Louvo a Deus pelos meus filhos, Cristopher Werner, Cristhyan Elin e Cristhiano Elionay; filhos voces são a minha herança. Deus vos abençoe.

Agradeço a Deus pela igreja que Ele me confiou, agradeço a Deus pela vida de cada irmão, voces as flores do meu ministério.

Mas amigos e irmãos, agradeço pelas vossas vidas, pela visitas a esse blog, Deus vos abençoe.

Mas acima de tudo agradeço a Deus por me conceder mais um ano de vida, a Ele seja honra e adoração para sempre.

quinta-feira, 19 de maio de 2011

Pra descontrair

Da uma olhada e veja se há alguma semelhança com o que acontece com o dinheiro no Brasil.

Assembleia de Deus pós Centenário


No dia 09 de junho, será realizada a Cerimônia Oficial de Abertura da Grande Celebração do Centenário das Assembleias de Deus no Brasil. Promovido pela Convenção Geral das Assembleias de Deus no Brasil (CGADB), o evento reunirá no Centro de Convenções e Feiras da Amazônia – Hangar, em Belém (PA) nomes renomados da denominação. O objetivo é discutir o posicionamento da Assembleia de Deus pós-centenário.

Pastor José Wellington Bezerra da Costa, presidente da CGADB, incentiva a participação dos pastores. “Queremos marcar todo o nosso país com um trabalho unificado e com um mesmo propósito. Conclamamos a todos os assembleianos que sigam a programação estabelecida e celebremos esta importante data”, convida.

O evento terá início às 09h. Entre os temas serão abordados a necessidade de incentivar o estudo da Bíblia, a importância da atuação missionária, os próximos desafios e os objetivos da denominação e a estrutura administrativa da mesma. Entre os palestrantes estão os renomados pastores Elienal Cabral, Wagner Gaby e José Satírio dos Santos – missionário da Colômbia há mais de 30 anos.

Anote!

Evento: Cerimônia Oficial de Abertura do Centenário
Data: 09 de junho
Local: Hangar – Centro de Convenções e Feiras da Amazônia
Horário: 09h
Endereço: Avenida Dr. Freitas - s/n – Bairro Marco - Belém / Pará




Endereço: Avenida Dr. Freitas - s/n – Bairro Marco - Belém / Pará




Pastor José Wellington Bezerra da Costa é presidente da Convenção Geral das Assembleias de Deus no Brasil (CGADB), presidente da Convenção Fraternal e Interestadual das Assembleias de Deus do Ministério do Belém no Estado de São Paulo (Confradesp), membro da diretoria do Comitê Mundial das Assembleias de Deus e do Comitê Mundial Pentecostal e autor do livro “Como ter um ministério bem-sucedido”, título da CPAD.


José Satírio dos Santos nasceu em 06 de outubro de 1946, em Maceió, estado de Alagoas, foi o primeiro de nove filhos de Julho Satírio dos Santos e Noemi Rocha dos Santos. Em 1975 recebeu do Senhor o chamado para ser missionário na Colômbia, desde então desenvolve este chamado com muita dedicação a Deus. Estudou teologia na Escola de Formação Teológica Cícero Canuto de Lima, SP (Brasil), onde obteve licenciatura em teologia. Aos 19 anos casou-se com Nair Andrade e dessa união nasceram três filhos: Sulamita, Eliseu e José Júnior.


Pastor Elienai Cabral é conferencista, teólogo, membro da Casa de Letras Emílio Conde, comentarista de Lições Bíblicas da CPAD, membro do Conselho Administrativo da CPAD e autor dos livros “Comentário Bíblico de Efésios”, “Mordomia Cristã”, “A Defesa do Apostolado de Paulo – Estudo na Segunda Carta aos Coríntios”, “Comentário Bíblico de Romanos”, “A Síndrome do Canto do Galo”, “Josué – Um líder que fez diferença”, “Parábolas de Jesus” e “O Pregador Eficaz”, todos títulos da CPAD.


Wagner Tadeu Gaby é ministro do Evangelho, presidente da Igreja Evangélica Assembleia de Deus em Curitiba, secretário da Comissão de Ética da CGADB, membro da Casa de Letras Emílio Conde e da Academia Evangélica de Letras do Brasil, escritor, advogado, major capelão R/1 do Exército Brasileiro, mestre em teologia e em educação e comentarista das Revistas Lições Bíblicas da CPAD.

quarta-feira, 18 de maio de 2011

Imprensa está começando a ler o PL 122

QUEM DIRIA...



EDITORIAL DA FOLHA DE SÃO PAULO - 17.05.11



"Inclusão de preconceito contra os gays
na lei antidiscriminação
é saudável, mas arrisca
cercear ainda mais liberdade de expressão"


"Em boa hora a senadora Marta Suplicy (PT-SP) pediu a retirada do projeto de lei que criminaliza a homofobia da pauta da Comissão de Direitos Humanos (CDH).

Falta serenidade ao debate. E as implicações do texto para as liberdades constitucionais de expressão e de culto a tornam mais necessária do que nunca.

O tema pegou fogo após decisão unânime do Supremo Tribunal Federal (STF), há 12 dias, de considerar como família a união estável de homossexuais. Várias igrejas, inclusive a católica, condenam a homossexualidade como antinatural e pecaminosa. Diante da derrota no STF, esforçam-se por barrar outras iniciativas legais que ampliem a proteção aos gays.

Um dos grupos que sobressaem é a bancada evangélica no Congresso, que conta em torno de 70 deputados federais e três senadores. O projeto de criminalização da homofobia já foi chancelado na Câmara e, caso sobreviva na CDH, ainda terá de passar pela Comissão de Constituição e Justiça.

Se aprovado, o projeto em realidade não criaria uma lei nova. Ele inclui a discriminação por orientação sexual na que trata de crimes por preconceito de raça ou de cor (nº 7.716, de 1989).

O problema maior é antigo, portanto. Está no artigo 20 dessa lei ("praticar, induzir ou incitar a discriminação ou preconceito de raça, cor, etnia, religião ou procedência nacional"), que passaria a abranger a orientação sexual.

A amplitude e a indefinição dos termos ergueria uma espada sobre qualquer discurso ou escrito que condene a homossexualidade. Poderia ser acusado de "induzir" a discriminação e, em tese, levar à pena de reclusão por um a três anos, mais multa.

Pior: o parágrafo 3º do artigo faculta ao juiz, mesmo na ausência de inquérito policial, recolher publicações e cessar transmissões radiofônicas ou televisivas. São dispositivos em flagrante contradição com garantias fundamentais dos artigos 5º e 220 da Constituição, como a liberdade de expressão e a proibição de censura.

Parlamentares evangélicos temem que o projeto, se aprovado, venha criminalizar a pregação contra os gays. A relatora, contudo, propôs como única modificação ao texto da Câmara que seja aberta exceção para "a manifestação pacífica de pensamento decorrente de atos de fé".

E se alguém se manifestar pacificamente contra homossexuais, mas não por motivos religiosos? Poderá ser preso, censurado?

A criminalização da homofobia resulta de um impulso nobre, que objetiva proteger pessoas discriminadas pelo que fazem em sua vida privada. Não pode, porém, servir para cercear liberdades que fundamentam a própria convivência civilizada e democrática"




Comentário do Blogueiro:

A Folha descobriu só agora,
o que o Pr. Silas Malafaia e a blogosfera evangélica
já vêm martelando faz tempo: desde 2008.

PL-122 é inconstitucional, saiba porque

Antes de fazer qualquer comentário, é importante frisar que uma coisa é criticar conduta, outra é discriminar pessoas. No Brasil, pode-se criticar o Presidente da República, o Judiciário, o Legislativo, os católicos, os evangélicos, mas, se criticamos a prática homossexual, logo somos rotulados de homofóbicos. Na verdade, o PL-122 é contra o artigo 5º da Constituição, porque o projeto de lei quer criminalizar a opinião, bem como a liberdade religiosa.
Vejamos alguns artigos deste PL:


Artigo 1º: Serão punidos na forma desta lei os crimes resultantes de discriminação ou preconceito de raça, cor, etnia, religião, procedência nacional, gênero, sexo, orientação sexual, identidade de gêneros.
Comentário: Eles tentam se escorar na questão de raça e religião para se beneficiar. O perigo do artigo 1º é a livre orientação sexual. Esta é a primeira porta para a pedofilia. É bom ressaltar que o homossexualismo é comportamental, ninguém nasce homossexual; este é um comportamento como tantos outros do ser humano.


Artigo 4º: Praticar o empregador, ou seu preposto, atos de dispensa direta ou indireta. Pena: reclusão de 2 a 5 anos.
Comentário: Não serão os pais que vão determinar a educação dos filhos — porque se os pais descobrirem que a babá dos seus filhos é homossexual, e eles não quiserem que seus filhos sejam orientados por um homossexual, poderão ir para a cadeia.


Artigo 8º-A: Impedir ou restringir a expressão e a manifestação de afetividade em locais públicos ou privados abertos ao público, em virtude das características previstas no artigo 1º desta lei. Pena: reclusão de dois a cinco anos.
Comentário: Isto significa dizer que se um pastor, ou padre, ou diretor de escola — que por questões de princípios — não queira que no pátio da igreja, ou escola haja manifestações de afetividade, irão para a cadeia.

Artigo 8º-B: Proibir a livre expressão e manifestação de afetividade do cidadão homossexual, bissexual ou transgênero, sendo estas expressões e manifestações permitidas aos demais cidadãos ou cidadãs. Pena: reclusão de dois a cinco anos.
Comentário: O princípio do comentário é o mesmo que o do anterior, com um agravante: a preferência agora é dos homossexuais; nós, míseros heterossexuais, podemos também ter direito à livre expressão, depois que é garantida aos homossexuais. O parágrafo do artigo que vamos comentar a seguir "constituiu efeito de condenação".


Artigo 16º, parágrafo 5ª: O disposto neste artigo envolve a prática de qualquer tipo de ação violenta, constrangedora, intimidatória ou vexatória, de ordem moral, ética, filosófica ou psicológica.
Comentário: Aqui está o ápice do absurdo: o que é ação constrangedora, intimidatória, de ordem moral, ética, filosófica e psicológica? Com este parágrafo a Bíblia vira um livro homofóbico, pois qualquer homossexual poderá reivindicar que se sente constrangido, intimidado pelos capítulos da Bíblia que condenam a prática homossexual. É a ditadura da minoria querendo colocar a mordaça na maioria. O Brasil é formado por 90% de cristãos. Não queremos impedir ou cercear ninguém que tenha a prática homossexual, mas não pode haver lei que impeça a liberdade de expressão e religiosa que são garantidas no Artigo 5º da Constituição brasileira. Para qualquer violência que se cometa contra o homossexual está prevista, em lei, reparação a ele; bem como assim está para os heterossexuais. A PL-122 não tem nada a ver com a defesa do homossexual, mas, sim, quer criminalizar os contrários à prática homossexual — e fazem isso escorados na questão do racismo e da religião.

terça-feira, 17 de maio de 2011

Artigo sobre PL 122 - Cantora Jozyane

Estamos vivendo os últimos dias e cada vez mais vemos pessoas que foram colocadas em lugares estratégicos, em posição de destaque, em todas as áreas profissionais, digo por exemplo: Políticos, Pastores, Médicos, Professores, Músicos e até mesmo Cantores, pessoas com grande autoridade e influência "dados por Deus" que têm deixado de se posicionar diante de tantos assuntos da nossa atualidade, falo em especial neste post do PL122, algo que estão tentando empurrar goela abaixo das nossas famílias, dizendo mentirosamente que quem não aprova a prática homossexual é homofóbico.
Lembro-me de uma pessoa que foi colocada por Deus numa posição de destaque que momentaneamente poderia até não entender o motivo de ser elevada a tal posição, falo de Ester, uma jovem escolhida por Deus para revelar a afronta de alguém mau e que só pensava em seus próprios interesses.
Mardoqueu pediu a ajuda da rainha.
( leia Ester 4:8-17)
E ela falou: Ninguém entra na presença do rei sem ser chamada. Corro o risco de morrer!
Ou seja, não queria se meter "numa briga", mas a "briga" não era de um homem, Mardoqueu, e sim de um povo escolhido por Deus. O que me chama a atenção no texto é o versículo 13 e 14 que diz:
" Então disse Mardoqueu que tornassem a dizer a Ester: (v.13) "Não imagines, em teu ânimo, que escaparás na casa do rei, mais do que todos os outros judeus".
(v.14) " Porque, se de todo te calares neste tempo, socorro e livramento doutra parte virá para os judeus, mas tu e a casa de teu pai perecereis; e quem sabe se para tal tempo como este chegaste a este reino?
Deus nos chamou pra ser luz, e nos pronunciar quando necessário, por fim ela resolveu enfrentar todos os perigos pelo seu povo. Antes, é claro, se preparou em oração e jejum num mesmo propósito juntamente com seu povo, e depois com muita sabedoria tomou a atitude correta, na hora certa. Deus honrou a sua atitude.
Nessa questão da lei que querem aprovar, que diz respeito não somente a nós, povo de Deus, mas diz respeito a família, algo criado por Deus, e que uns e outros querem deturpar. Precisamos nos posicionar quanto a isso. Seja você quem for, e em qualquer posição que ocupe, Deus quer ver até onde vai a tua coragem para mostrar a este mundo que não conhece a verdade, o que temos aprendido a luz da bíblia. Quero deixar bem claro aqui, que em alguns ambientes que freqüento dentro da sociedade que vivemos muitas vezes me deparo com homossexuais e nem por isso os deixo de respeitar, porém, isso não me faz concordar com uma prática que é abominada por Deus.
Podemos amá-los, sem concordar ou compartilhar de seus pensamentos. É o que a palavra de Deus me ensina, e mediante a isso tudo, este é o meu posicionamento. Não posso me calar, pois as gerações futuras me perguntarão e eu terei o que falar. Sou contra.

Este Post Foi escrito por:
Jozyanne que já escreveu seu 13° post no BlogOficial
http://jozyanneoficial.blogspot.com












Cantora Jozyane

Petição Publica

Irmãos e amigos, os dias são dificeis e nós não podemos ficar parados, um absurdo o que aconteceu na TV Senado, a transmissão foi tendenciosa da TV Senado que deixou a senadora Marta no ar e quando o senador Magno Malta foi falar deixou de transmitir.


Temos que estar alerta e não ficar caladaos, é a hora de mostrarmos nossa força.

Participe do Abaixo Assinado acesando: http://www.peticaopublica.com.br/?pi=P2011N9558

Participe, divulgue vamos levantar o maior numero possivel de assinaturas.

Votação da PL 122 é adiada no Senado

Senador Magno Malta defende debate com a sociedade

A senadora Marta Suplicy (PT-SP), decidiu retirar da pauta a discussão sobre a PL 122/2006. A votação do texto na Comissão de Direitos Humanos e Legislação Participativa (CDH) estava prevista para acontecer nesta quinta-feira (12).

A senadora disse que, no começo, "assustou-se com a rejeição por parte de igrejas cristãs com relação ao projeto, mas que ao entender o temor de que ele poderia restringir as liberdades de culto e de expressão, decidiu resguardá-las em seu substitutivo". Como ainda persistem resistências ao projeto, ela se disse disposta a ouvir e prosseguir o debate.

O senador evangélico Magno Malta (PR-ES), contrário ao projeto, manifestou seu agrado com a retirada do projeto de pauta e a possibilidade de discussão mais aprofundada sobre a matéria.


Fonte: Senado.gov.br

sábado, 14 de maio de 2011

Centenário, voce vai?

A Celebração do Centenário das Assembléia de Deus no Brasil se aproxima, e ai fica uma pergunta, em qual festa voce vai estar?

Na festa organizada pela CGADB, que com a teimosia de seu presidente Pr. José Wellington Bezerra da Costa torna impossivel nesse momento de celebração uma festa conjunta.




Ou na festa organizada pela igreja mãe em Belem, que através de seu líder Pr. Samuel Camara que tanto insiste em ser presidente da CGADB, contribuiu para essa divisão em uma festa que deveria ser a maior união do povo assembléiano.




Expresso aqui minha preocupação, pois como Assembleiano de berço gostaria de se cumprisse na Assembleía de Deus o que diz o Salmista no Salmo 133 "Oh! quão bom e quão suave é que os irmãos vivam em união."


Que houvesse uma Unidade Neste Centenário, e que juntos podessemos louvar a Deus, pois afinal, não é para qualquer instituição chegar aos 100 anos. Lembrando que nesses 100 anos as vitórias são inumeras.

sexta-feira, 13 de maio de 2011

O blogger deu pane! Posts sumiram! Comentários desapareceram!




Os blogueiros já devem saber que o blogger deu pau!

Na verdade não foi qualquer pauzinho, foi épico. Não se via nada assim desde 2007.

Na quarta-feira, durante uma manutenção, onde alguns usuários experimentaram algum tipo de problema nas suas atividades, uma rotina normal virou filme de terror e tirou da cama os chefes dos garotos de plantão, risos.

O blogger saiu do ar rapidamente e para resolver o pepino foi necessário colocar o sistema em "somente leitura" dos 20,5 horas. Um pau homérico que impedia os usuários de atualizar seus blogs, ou mesmo entrar no painel interno.

A coisa ganhou asas na volta do blogger, por volta das 10:30h, nosso horário, quando se constatou que blogs criados pouco antes do problema sumiram, assim como posts de blogs grandes em datas variadas (fiquem ligados, confiram suas coisas).

Para sair desta, o blog travou um bom número de blogs até as 14:00 (Brasil), em geral grandes blogs, com muitos links associados às suas matérias. Blogs bem localizados no google.

CATASTROFE: Toda a vida da maioria blogs foi retrocedida a última quarta-feira as 16:00h (Brasil), incluindo posts, comentários e tudo o mais.

Este retorno a um ponto de restauração foi a única forma que os técnicos encontraram para colocar o sistema em pé novamente. Para quem conhece do assunto, na prática, tem algum pepino que não foi resolvido, estão os programadores restauram a um ponto do passado seguro e ganham tempo para a solução final.

Por hora, temos a confirmação de que a blogger está trabalhando nisto e os posts serão restaurados em breve.

Alguns uuários estão experimentando o sumiço de outras postagens anteriores ao ponto de restauração. Solicito aos amados leitores que me informem em comentário o sumiço de qualquer post anterior a esta última quarta-feira. E aconselho aos blogueiros que façam o mesmo. Não é bom ficar com links quebrados em seu blog ou site.

A equipe do Blogger pede desculpas aos usuários e nós aos nossos leitores.

E desculpas antecipadas também ao Blogger, para o caso de estarmos transmitindo alguma informação incompleta ou desatualizada. Estamos acompanhando os foruns desde quarta-feira e as coisas mudam rápido, na medida em que novos blogueiros neuróticos se encontram com seus pares desesperados. Como eu tenho mais o que fazer e nao pretendo atualizar este post de hora em hora, posso errar por obsolescência.

Obrigado

Danilo Fernandes
http://www.genizahvirtual.com/

Protesto dia 01 de junho - Voce vai?



A luta contra o projeto de lei, PL 122/2006 que recentemente foi desarquivado pela Senadora Marta Suplicy.
É hora de nos mobilizar-mos e ir a Brasilia no dia 01 de junhos as 15:00h, para protestar pacificamente contra esse projeto, pois precisamos lutar pela preservação da Família
Lembrando que O PL 122 criminaliza qualquer ação, opinião ou crítica que venha a ser interpretada como discriminação ou preconceito quanto ao homossexualismo no Brasil, com pena de 2 a 4 anos de prisão.

O texto do projeto de lei fere a liberdade religiosa e de expressão, direitos garantidos pela Constituição brasileira, expressas no artigo 5º, incisos 4, 6, 8 e 9. “Essa é uma lei vergonhosa, que finge proteger a prática homossexual, porém, sua intenção real é colocar uma mordaça na sociedade e criminalizar os que são contra o comportamento homossexual. Com essa lei querem atingir as famílias, as questões religiosas e a liberdade de expressão”, afirma o pastor Silas Malafaia, que convida os brasilienses para participarem desse manifesto.

Aqueles que não puderem estar presente também podem ajudar nessa luta em favor da família e da liberdade de expressão. Entre no site www.senado.gov.br/senadores e envie para os representantes do seu estado: “Sr. Senador, rejeite a PL122/2006. Em favor da família, em favor da liberdade de expressão e abaixo a pedofilia.” Quem desejar pode ainda enviar esse pedido para os senadores dos demais estados da federação.

Manifesto Pr. Daniel Sampaio

Neste vídeo o Pr. Daniel Sampaio se posiciona sobre o atropelamento da Constituição Federal pelo STF no reconhecimento da união Homoafetiva como entidade familiar. Assistam e repassem para seus contatos. A casa de deveria ser a Guardiã da Constituição, atropela a mesma. Que Deus tenha misericórdia de nós Brasileiros. Precisamos reagir, orar, e nos manifestar contra a injustiça e o pecado
Assista, divulgue, passe adiante.

quarta-feira, 11 de maio de 2011

Prisão de Pastor

O jornal britânico The Daily Telegraph noticiou que um pastor foi preso depois de ter dito durante sermão na rua que homossexualismo é um pecado.

Dale McAlpine foi acusado de causar “alarme, intimidação e angústia” depois que um policial comunitário ouviu o pastor batista mencionar vários “pecados” citados na Bíblia, como blasfêmia, embriaguez e relações sexuais entre pessoas do mesmo sexo.

O pastor de 42 anos prega nas ruas de Wokington, na região de Cumbria, no noroeste da Inglaterra há anos, e disse que não mencionou homossexualismo quando fazia o sermão do alto de uma pequena escada, mas admitiu ter dito a uma pessoa que passava que acreditava que a prática era contrária aos ensinamentos de Deus.

O policial Sam Adams identificou-se ao jornal Daily Mail como um agente de ligação entre a polícia e a comunidade gay e transexual e avisou o pregador, que distribuía folhetos e conversava com as pessoas nas ruas, que ele estava violando a lei. Mas ele continuou pregando e foi levado para a prisão, onde permaneceu por sete horas.

Para um outro jornal britânico o pastor disse que o incidente foi “humilhante”.”Eu me sinto profundamente chocado e humilhado por ter sido preso em minha própria cidade e tratado como um criminoso comum na frente de pessoas que eu conheço,” disse ele ao Daily Telegraph.

Semanas atrás um juiz britânico decidiu que não há proteção especial na lei para crenças cristãs durante um julgamento de uma ação movida contra um organização que demitiu um terapeuta de casais por se recusar a atender casais gays alegando que isso seria contra seus princípios cristãos.


Publicado por Renato Cavallera (perfil no G+ Social) em 11 de maio de 2011
Fonte: http://noticias.gospelmais.com.br

Protesto dia 01 de junho

É urgente!!!




A luta contra o projeto de lei, PL 122/2006 que recentemente foi desarquivado pela Senadora Marta Suplicy.
É hora de nos mobilizar-mos e ir a Brasilia no dia 01 de junhos as 15:00h, para protestar pacificamente contra esse projeto, pois precisamos lutar pela preservação da Família.


Lembrando que O PL 122 criminaliza qualquer ação, opinião ou crítica que venha a ser interpretada como discriminação ou preconceito quanto ao homossexualismo no Brasil, com pena de 2 a 4 anos de prisão.



O texto do projeto de lei fere a liberdade religiosa e de expressão, direitos garantidos pela Constituição brasileira, expressas no artigo 5º, incisos 4, 6, 8 e 9. “Essa é uma lei vergonhosa, que finge proteger a prática homossexual, porém, sua intenção real é colocar uma mordaça na sociedade e criminalizar os que são contra o comportamento homossexual. Com essa lei querem atingir as famílias, as questões religiosas e a liberdade de expressão”, afirma o pastor Silas Malafaia, que convida os brasilienses para participarem desse manifesto.

Aqueles que não puderem estar presente também podem ajudar nessa luta em favor da família e da liberdade de expressão. Entre no site www.senado.gov.br/senadores e envie para os representantes do seu estado: “Sr. Senador, rejeite a PL122/2006. Em favor da família, em favor da liberdade de expressão e abaixo a pedofilia.” Quem desejar pode ainda enviar esse pedido para os senadores dos demais estados da federação.

terça-feira, 10 de maio de 2011

Entrevista com o pastor José Wellington Bezerra da Costa

"Somos a Assembleia de Deus de ontém, hoje e sempre"


entrevista com o pastor José Wellington Bezerra da Costa


O pastor José Wellington Bezerra da Costa, presidente da Convenção Geral das Assembleias de Deus no Brasil (CGADB) e da Assembleia de Deus, Ministério do Belém (SP), costuma afirmar que continua hoje com o mesmo fervor que tinha em seu coração quando começou a servir ao Senhor Jesus, a diferença é que agora com muito mais experiência. Afinal, são 76 anos de vida, dos quais 69 de fé em Jesus e de Assembleia de Deus, e 57 como obreiro, sendo 49 só como pastor da AD.

Líder do órgão máximo da denominação no país no ano do seu centenário, e com anos de experiência à frente da AD, pastor José Wellington reflete sobre o passado, o presente e o futuro da AD, e seus principais desafios no século 21, e fala da alegria que foi participar da 6ª edição do Congresso Mundial das Assembleias de Deus, que foi realizado de 6 a 9 de fevereiro em Chennai, Índia. Segundo ele, essa foi uma das melhores edições do evento. O Congresso deste ano reuniu cerca de 10 mil assembleianos de 70 nações e teve como tema “Avante! No favor de Deus”. O objetivo do Congresso é manter e celebrar a fraternidade mundial da denominação e estabelecer objetivos conjuntos para os próximos anos.


Pastor Wellington relata a sua experiência entre os irmãos indianos, o tratamento dispensado aos convidados, o perfil da igreja em território indiano e ainda informações sobre os preparativos das comemorações do Centenário das ADs no Brasil.

Obreiro O senhor esteve recentemente no Congresso Mundial das Assembleias de Deus na Índia. Como foi o evento deste ano? O que o senhor destacaria de mais positivo?
Em primeiro lugar, nós fomos recebidos de uma forma muito carinhosa. Os indianos são um povo com um coração nobre, receptivo, amoroso. A forma como eles nos receberam nos cativou inteiramente. Se esse povo nos tratou tão bem na parte social, imagine a igreja local. Também participamos de cultos maravilhosos. O presidente da Convenção da Assembleia de Deus na Índia, o pastor David Mohan, é um homem de Deus. Ele é líder de uma igreja bonita, grande e avivada. Enfim, tivemos um trabalho maravilhoso. Com relação à organização, eu tenho participado de vários Congressos Mundiais da AD, mas esse foi o mais organizado de que já participei. No que diz respeito à organização, dou nota 10 aos irmãos da Índia. E a liturgia deles se assemelha muito com a dos brasileiros. O que eu posso dizer? Eu voltei muito feliz. Outra alegria é que, pela primeira vez, tivemos um brasileiro como um dos preletores do Congresso Mundial da AD. O pastor Joel Freire, líder da Convenção Fraternal das Assembleias de Deus Brasileiras nos Estados Unidos (Confradeb-EUA), foi um dos ministrantes na grande reunião de terça-feira à noite. Foi uma celebração muito bonita.


Obreiro O que mais chamou a sua atenção na Assembleia de Deus daquele país?
A impressão que eu trouxe daqueles dias é de uma igreja muito amável, e que está trabalhando com denodo a fim de realizar a obra de Deus. Como as reuniões eram de caráter mundial, nos deparamos com uma amálgama de vários povos. Na verdade, o maior número era de indianos, mas pelas suas vestimentas não conseguíamos distinguir os naturais dos estrangeiros, ou seja, quais eram indianos nativos e quais eram do Paquistão ou da Malásia. Mas, eu chamo a atenção para o comportamento desse povo, uma postura excelente. Eu voltei maravilhado com o momento do culto, com a maneira como as pessoas se comportaram diante de Deus. Eu posso afirmar que foi algo muito bom.

Obreiro Qual o ponto mais positivo do evento para o senhor?
Como na Índia ainda existem alguns Estados em que há muita repressão ao cristianismo, a realização desse Congresso deixou para todo o país uma mensagem evidente do poder do Evangelho. Como a igreja que existe na Índia é relativamente grande, tudo o que faz tem naturalmente um grande alcance e, de fato, a igreja
indiana deixou uma mensagem do Evangelho de Cristo que mostra para todo o povo que o Evangelho é superior a toda aquela idolatria em território nacional.

Obreiro A Assembleia Geral Ordinária da CGADB em Cuiabá será a AGO do Centenário. Qual a sua expectativa para esse conclave e para os temas que serão debatidos ali?
Eu estou naturalmente orando e certo que vamos realizar com sucesso mais um período convencional. Vamos colocar em pauta assuntos que considero muito importantes, principalmente no que diz respeito à doutrina. Temos também o resultado daquela comissão que formamos na Convenção Geral passada, no Espírito Santo, que trata sobre o casamento, e também temos o programa do Centenário. Queremos dar muita evidência a essa programação de junho, pois estamos certos de que a igreja no Brasil está envolvida. Estamos dando apenas os últimos retoques na programação, de maneira que eu creio que toda a igreja no Brasil estará exaltando ao Senhor de forma marcante pelo centenário da nossa igreja.

Creio que as comemorações do Centenário da AD no mês de junho são um momento concedido por Deus para notificar a todo o Brasil a presença de nossa igreja. Eu, que pertenço à geração passada, lembro-me que a nossa igreja, por ser pequena e também perseguida, era mantida quase no anonimato. Hoje, porém, pela graça de Deus, a denominação tem visibilidade devido à sua expansão, projeção social e uma grande parcela de membros universitários, profissionais liberais. Essa comemoração vai também notificar ainda mais a existência e o conteúdo da denominação.

Obreiro O senhor acredita que a AGO de Cuiabá possa ser também um período de reflexão sobre o Centenário da igreja para os cerca de 2,5 mil ministros que estarão ali presentes?
Nós faremos todo o possível para que isso aconteça, e este é o desejo do meu coração. Como nesse período não vamos ter eleição, então teremos muito tempo para uma reflexão mais profunda do trabalho do Senhor. Eu acredito que o Senhor Deus vai nos dirigir para que levemos o nosso plenário a um momento de reflexão, porque é muito apropriado para isso acontecer. Depois de 100 anos de existência, esse é um momento importante para todos os obreiros, embora não tenhamos um número tão elevado para a AGO em Cuiabá, mas é uma chance que Deus está nos concedendo.


Obreiro Olhando para a Assembleia de Deus hoje e para o seu passado e o seu futuro, o que é preciso melhorar ou resgatar na nossa denominação para que possa enfrentar com êxito os desafios do século 21?
Eu acredito que a Assembleia de Deus na qual aceitei a Cristo como meu salvador há 69 anos passados não pode estar diferente hoje. É verdade que houve mudanças na sociedade atual, porém a modernidade e o avanço tecnológicos devem ser utilizados por nós para o bem e a edificação da Igreja. No contexto doutrinário, temos todo o empenho de manter a Igreja dentro dos parâmetros das Sagradas Escrituras. É verdade que somos constrangidos a reconhecer que em algumas cidades há igrejas que estão um pouco diferentes com relação a alguns costumes que não são próprios da Assembleia de Deus, e é por isso que o tema desta Convenção Geral de abril é A Doutrina e o Comportamento da Igreja para este momento. Desejo convocar os pastores para que todos estejam empenhados no ensino da Palavra de Deus e do comportamento da Igreja que o Senhor tirou do mundo, purificando-a com o Seu sangue a fim de levá-la para o Céu. Não podemos perder esse alvo. Somos a Assembleia de Deus de ontem, hoje e a do futuro. Não se pode mudar a identidade da Igreja do Senhor.

Obreiro Como estão os preparativos para a Conferência Pentecostal na região Sudeste em novembro?
Estamos empenhados na construção de nosso novo templo. Temos muito a fazer, portanto trabalhamos diuturnamente. Com relação à organização, estamos trabalhando naturalmente na preparação do povo de todas as faixas etárias da igreja, desde as crianças, passando pela mocidade e pelo Círculo de Oração, a Orquestra, o Coral e os obreiros. Estamos envolvidos nesse trabalho, e esperamos ter uma grande festa.

Obreiro Que palavra o senhor deixa para os obreiros assembleianos de todo o país por ocasião do Centenário das Assembleias de Deus no brasil?
Eu quero dizer aos meus companheiros que a existência da Assembleia de Deus é uma indelével prova do poder de Deus derramado em nossos corações no Brasil, e que não podemos prescindir dessa operação miraculosa de Deus em Seu povo neste país. Temos que valorizar isso, pois este é o tempo que Deus colocou em nossas mãos para dar ênfase não somente no que diz respeito à parte social, porém muito mais à parte espiritual. Não podemos nos esquecer da doutrina dos apóstolos, da comunhão, do partir do pão, e das orações.

fonte: Revista Manual do Obreiro
CPAD - Casa Publicadora das Assembleias de Deus

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...