sábado, 20 de março de 2010

Gratidão


Irmãos e amigos, a paz do Senhor Jesus,

Estou extremamente feliz, hoje (20/03) tivemos um grande culto na congregação que por bondade de Deus pastoreamos, culto dos adolescentes.

A presença de Deus foi marcante, muita graça e unção na vidas de todos os presentes, e ao final pra encerrar o culto com chave de ouro, ao fazermos o apelo três vidas se decidiram por Cristo, foi uma alegria muito grande ver vidas vindo a frente com lagrimas nos olhos, aceitando a Cristo verdadeiramente.

Louvo a DEUS por tudo quanto Ele tem nos feito.


Ao Senhor toda Glória!!

terça-feira, 16 de março de 2010

Pela unidade no centenário

Blogueiros assembleianos lançam selo pela unidade no Centenário

Um grupo de blogueiros assembleianos aderiu à campanha pela unidade nas comemorações do Centenário das Assembleias de Deus. O pastor Carlos Roberto, em recente encontro com o responsável por coordenar tais atividades, mencionou o tema e algumas semanas depois o pastor Geremias do Couto o trouxe para o blog com a postagem: Centenário da AD no Brasil: de que lado você está? Logo o irmão Luís, do blog evangelização, sugeriu que se criasse um selo para fomentar a ideia, que foi imediatamente encampada por outros colegas.

Alguns dias depois o irmão Elian Soares, do blog Evangelismo e Louvor, preparou o primeiro rascunho, o qual, depois de receber diversas sugestões, entre as quais a do companheiro Robson Silva, resultou no selo que acabamos de publicar em nossos blogs como uma das ferramentas para alavancar a campanha em favor de uma comemoração unida de todos os assembleianos, no ano do Centenário, incluindo CGADB, CONAMAD e a igreja-mãe, em Belém, PA.

O selo teve como idéia tornar a logomarca oficial do Centenário um quebra-cabeça, onde cada peça representa um ministério, visto que a nossa igreja forma esse grande mosaico com diferentes ministérios e convenções. As quatro mãos que montam o quebra-cabeça significam que a unidade em torno das comemorações do Centenário depende da boa vontade dos líderes e respectivos ministérios e convenções. Nosso papel é fomentar e ajudar essas mãos a montar o quebra-cabeça. Cremos que com a ajuda de Deus poderemos chegar lá. Mas no mínimo fizemos a nossa parte.

Trata-se de uma campanha sem partidarismos, sem donos e espontânea, que pretende estar acima de qualquer facciosismo, visando um verdadeiro congraçamento que contribua para celebrar a unidade, e para o seu fortalecimento, evitando que ela fique mais esgarçada em razão de comemorações que se prenunciam divididas, e que, desta forma, não representam os verdadeiros anseios do povo assembleiano.

Estes são os blogs que lançam, simultaneamente, a campanha na blogosfera cristã e, sobretudo, assembleiana:

A Supremacia das Escrituras, Marcello Oliveira.

A serviço do Rei Jesus, Ev. Jairo Elin.

Alerta final, Gesiel Costa.

Blog da Adélia Brunelli.

Blog do pastor Robson Aguiar.

Blog do pastor Newton Carpinteiro.

Blog do pastor Eliel Gaby.

Blog do Ivan Tadeu.

Blog do Pr. Flávio Constantino.

Blog do Pr. José Paulo Porte

Blog do Pr. Levi Agnaldo

Cristianismo Radical, Juber Donizete.

Cristo é a Vida, Pb. Uilton Camilo

Dispensação da Graça Pr Andre Costa

Esboçando a Palavra

E agora, como viveremos?, Valmir Milhomem.

Encontro com a Bíblia, Matias Borba.

Geração Que Lamba, Victor Leonardo Barbosa.

Ide e Anunciai

Manhã com a Bíblia, Geremias do Couto.

Ministério São Paulo, Pr. Brunelli

O pregador, Pb. Juari Barbosa.

Palavra de Mulher, Sarah Virgínia

Philadelfia – Evangelismo e Louvor, Elian Soares.

Plenitude da Graça

Point Rhema, Carlos Roberto Silva.

Profetizando a Palavra, Pb. Uilson Camilo.

Prossigo para o Alvo, Robson de Souza.

Reflexões sobre quase tudo, Daladier Lima.

Teologia Pentecostal, Gutierres Siqueira.

Victória Antenada, Victória Virgínia

Se você deseja ver o povo assembleiano unido nas comemorações do Centenário, una-se conosco. Se você deseja ver as filhas em todo o Brasil ao lado da igreja-mãe comemorando a chegada dos pioneiros Gunnar Vingren e Daniel Berg há 100 anos na cidade de Belém, PA, trazidos pelo Espírito Santo para espalhar o fogo do movimento pentecostal no país, divulgue esta mensagem para outros blogueiros e coloque no seu blog o selo que ora lhe sugerimos.

Seja um fomentador da unidade nas comemorações do Centenário das Assembleias de Deus. Deus pode usar este movimento para aparar arestas, fazer cair por terra vaidades pessoais e cessar toda polarização que hoje tem sido motivo de muita tensão e discórdia entre as nossas lideranças.

Que o Senhor nos ajude.

quinta-feira, 11 de março de 2010

EBD - Lição 11

IMAGEM: ENOMIR SANTOS (ANANINDEUA)

Nesta 11ª lição aprenderemos que ser um líder autêntico, apesar de não ser sinônimo de ser um "líder perfeito", implica em possuir algumas características e qualidades específicas e notórias.

PLANO DE AULA

1. OBJETIVOS DA LIÇÃO

-Compreender que o líder cristão autêntico é aquele que não perde o senso de dependência de Deus.
-Distinguir as características de um verdadeiro líder.
-Descrever os tipos de lideranças encontradas no seio da igreja.

2. CONTEÚDO


Textos Bíblicos: 2 Co 10.12-16; 11.2, 3, 5, 6

O CONCEITO DE AUTENTICIDADE
O que significa ser autêntico? O dicionário mini Houaiss (2001, p. 45) define oferece as seguintes definições:

- Autenticar: reconhecer como autêntico ou verdadeiro;
- Autenticidade: ausência de falsidade;
- Autêntico: verdadeiro, legítimo.

Na liderança cristã atual é preciso discernir entre o autêntico e o falso.

LIÇÕES SOBRE A AUTENTICIDADE DA LIDERANÇA DO APÓSTOLO PAULO

Conforme Sanders (1999, p. 40) "A liderança de Paulo não era perfeita, mas nos proporciona um exemplo tremendamente estimulante e inspirador do que significa continuar avançando para a maturidade".

Na lição bíblica encontramos descritas algumas características e qualidades da liderança autêntica de Paulo. São elas:

- O objetivo maior de servir ou o compromisso e interesse pelo bem-estar integral da igreja. Esta descrição encontramos na verdade prática da lição e no segundo ponto da mesma. Por várias vezes esse tema foi tratado no decorrer deste trimestre. A marca do verdadeiro desejo de servir está presente em Paulo na forma como era livre da ambição de tirar vantagens financeiras do evangelho e de sua função (11.7-10), do sofrimento a que submeteu-se (11.22-33), na disposição em se gastar em prol das vidas (12.15). Em nossos dias, alguns líderes chamariam Paulo de tolo, burro, besta, ingênuo, santarrão e coisas semelhantes a estas. A razão é que muitos que dizem estar servindo à igreja, na realidade buscam vantagens pessoais, estabilidade financeira, enriquecimento ilícito, aumento desproporcional do patrimônio e outros atos e intenções vergonhosas. É possível perceber em alguns casos o patrimônio de alguns líderes (apostolos , bispos e pastores) se multiplicar em mais de dez vezes em poucos anos em seu "viver do evangelho". Benção de Deus ou oportunismo? Prosperidade ou imprudência? Deus haverá de julgar cada caso e retribuir de forma justa as intenções e ações equivocadas ou maldosas desses líderes. Se o apóstolo Paulo ressucitasse em nossos dias ficaria surpreso pela ideia capitalista disseminada de que um apostolado e pastorado bem sucedido é medido pelo tamanho do patrimônio acumulado e ostentado por seu possuidor.

"Todas as coisas são lícitas, mas nem todas convêm; todas são lícitas, mas nem todas edificam." (1 Co 10.23)

- O exercício da autocrítica (1 Co 10.12, 13). Conhecer e reconhecer os seus limites, suas imperfeições, suas debilidades, seus erros e necessidades de aperfeiçoamento é uma necessidade na vida de um autêntico líder. A autocrítica ou autoanálise é um exercício constante e salutar. Na Bíblia sagrada encontramos o modelo de Deus para a vida do líder cristão em todo os seus aspectos.

Sanders (idem, p. 52) entende que "Paulo estava plenamente cônscio de suas próprias falhas e deficiências, visto que seu padrão era a maturidade segundo a "estatura da plenitude de Cristo (Ef 4.13). Ele confessou suas próprias limitações:

"Não que eu o tenha já recebido ou tenha já obtido a perfeição; mas prossigo para conquistar aquilo para o que também fui conquistado por Cristo Jesus. Irmãos, quanto a mim, não julgo havê-lo alcançado; mas uma coisa faço: esquecendo-me das coisas que para trás ficam e avançando para as que diante de mim estão, prossigo para o alvo, para o prêmio da soberana vocação de Deus em Cristo Jesus." (Fp 3.12-14)

- A demonstração de competências para o exercício do seu ministério. Alguns conceitos modernos de competência são relacionados por Resende (2003, p. 30-31):

"Capacidade de quem é capaz de apreciar e resolver certo assunto, fazer determinada coisa" (Dicionário Aurélio B. de Holanda).

"Observáveis características individuais - conhecimentos, habilidades, objetivos, valores - capazes de predizer/causar efetiva ou superior performance no trabalho ou em outra situação de vida (David C. McClelland).

"Competência no trabalho é uma destacada característica de um empregado (que pode ser motivo, habilidade, conhecimento, auto-imagem, função social) que resulta em efetivo e/ou superior performance" (Boyatzis - colega de McClelland nas pesquisas sobre identificação e avaliação de competências).

"Competência é a capacidade de transformar conhecimentos e habilidades em entrega (Joel Dutra)

Outras definições sem a indicação do autor:

"Competência são atributos pessoais que distinguem pessoas de altas performances de outras, num mesmo trabalho."

"Pessoas competentes são aquelas que obtêm resultados no trabalho, nos empreendimentos, utilizando conhecimentos e habilidades adequados."

Uma análise geral no exercício das atividades apostólicas de Paulo nos revela claramente a sua competência, ou seja, esse conjunto de habilidades, dons, talentos, conhecimentos e virtudes que se espera de um líder autêntico.

Além destas qualidades especificadas na lição, ao tratar sobre a liderança de Paulo, Sanders (idem, p. 42-66) nos descreve outras mais. São estas:

- Consideração. Aqui se trata da sensibilidade aos direitos alheios (2 Co 10.13-16);
- Coragem. A prova da coragem de um líder é a sua capacidade de enfrentar fatos e situações desagradáveis, ou mesmo devastadoras, sem entrar em pânico, e sua disposição de tomar medidas firmes quando necessárias, mesmo que sejam impopulares (At 19.30-31; 20.22-23;
2 Tm 1.7; Gl 2.11);
- Determinação. A prorastinação e a vacilação são fatais à liderança. Uma decisão sincera, embora errada, é melhor do que nenhuma. Paulo sempre demonstrou determinação em suas ações: "Que farei Senhor?" (At 22.8,10);
- Ânimo. Ele era forte em caráter e fé. Tal condição foi construída ao longo de sua vida e ministério (2 Co 7.6; Fp 4.11; 2 Co 4.1, 16);
- Amizade. Sobre a qualidade desta marca na liderança de Paulo Sanders (ibidem, p. 50-51) afirma: "Diferente de muitos outros grandes líderes, a grandeza de Paulo não era a "grandeza do isolamento". Ele era essencialmente gregário, e possuía em grau único o poder de capturar e reter o intenso amor e lealdade dos amigos. Seu amor era autêntico e profundo. [...] Um dos grandes segredos da amizade de Paulo era a sua capacidade de amar de modo altruísta, mesmo que seu amor não fosse retribuído (2 Co 12.15);
- Humildade. O currículo dos cursos de liderança do mundo, nos quais se avolumam a preeminência, a publicidade e a autopromoção (marketing pessoal), não inclui a humildade (Mc 10.43; 1 Co 15.9; 2 Co 12.6; Ef 3.8; 1 Tm 1.15);
- A capacidade de ouvir. A sensibilidade às necessidades alheias e a disponibilidade de seguir conselhos se expressam melhor ouvindo do que falando. Ao ler nas entrelinhas, não era difícil perceber que Paulo era um homem que conhecia o valor de ouvir.
- Paciência. O homem que se impacienta com as fraquezas e falhas alheias terá liderança deficitária: "Ora, nós que somos fortes, devemos suportar as debilidades dos fracos (Rm 15.1). O bom líder sabe adaptar sua marcha à do irmão mais lento;
- Autodisciplina. O líder se torna capaz de conduzir outros na medida que consegue se conduzir (1 Co 9.26-27; 2 Co 10.4-5; Gl 5.23);
- Sinceridade e integridade. Transparência no viver e capacidade de se abrir são qualidades próprias na vida de um líder autêntico, sincero e íntegro (At 24.16; 1 Co 4.4; 2 Co 2.17; 2 Tm 1.3);
- Sabedoria espiritual. Eis aqui mais um elemento essencial para os que ocupam uma posição de liderança (At 6.3). Sabedoria é conhecimento em ação nas questões morais e espirituais. Sabedoria espiritual é envolve o conhecimento de Deus e das complexidades do coração do homem (1 Co 3.18-19; Cl 1.9,28, 3.16). A sabedoria vinda de Deus deve ser buscada (Tg 1.5);
- Zelo e veemência. À semelhança de seu Mestre e Senhor, Paulo era sincero e zeloso em toda a obra que realizava para Deus (At 22.3; 1 Co 14.1). É o líder zeloso, entusiasta que mais profunda e permanentemente impressiona seus seguidores.

Para concluir, cito ainda Sanders (ibidem, p. 40), que de forma muito apropriada escreve:

"O conceito que ele tinha do papel do líder na obra cristã reflete-se nas palavras que emprega nessa conexão. Ele é despenseiro (1 Co 4.2), o que significa mordomo ou gerente dos recursos da família. Ele é administrador, isto é, governante (1 Co 12.28), palavra que descreve o timoneiro do navio e, dessa maneira, aquele que dirige a tarefa. Ele é bispo, isto é, supervisor (At 20.28), palavra para guardador ou protetor. Ele é presbítero (At 20.17), o que implica maturidade da experiência cristã. Ele é presidente (Rm 12.8), palavra que significa alguém que se coloca diante das pessoas e as conduz. É claro, nem todos os líderes preenchem todos esses papéis, mas o uso que Paulo faz dessas palavras dá algum indício da complexidade da tarefa, e do quanto é preciso haver flexibilidade e adaptabilidade no exercê-la."
Apesar de sua humanidade e imperfeições, o exemplo de Paulo como líder autêntico é digno de ser imitado.

3. MÉTODOS E ESTRATÉGIAS DE ENSINO
Relacione num quadro ou em cartaz, ou ainda em alguma outra plataforma de escrita as características e qualidades que autenticavam a liderança de Paulo. Em seguida converse com os alunos sobre a presença das referidas qualidades nas lideranças atuais. Resalte o fato de que não é possível haver um líder perfeito, mas é possível ser um líder autêntico.

4. RECURSOS DIDÁTICOS
Quadro, cartolina, pincel ou giz, etc.

5. SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS
- Bíblia de Estudo Almeida (ARA), SBB.
- Dicionário da Língua Portuguesa Houaiss, Objetiva.
- O livro das competências, Qualitymark.
- Paulo, o líder, Editora Vida.

Uma ótima aula para a glória de Deus!

Fonte blog do Pr. Altair Germano

segunda-feira, 8 de março de 2010

Diário de uma bíblia


20 de janeiro - Passei uma semana calma. Nas primeiras noites do Ano Novo, meu proprietário me leu diariamente, mas agora parece que me esqueceu.

16 de fevereiro - Hoje foi faxina geral de final de verão. Fui desempoeirada como outros objetos e recolocada em meu lugar.

24 de março - Fui utilizada depois do café pelo meu proprietário. Ele analisou alguns trechos e me levou ao culto.

08 de maio - Hoje foi um dia duro de trabalho. Meu proprietário dirigiu um estudo bíblico e teve que procurar vários versículos. Raras vezes os encontrava, mesmo estando todos no velho lugar.

01 de junho - Hoje alguém colocou um trevo de quatro folhas entre minhas páginas.

29 de junho - Fui colocada, juntamente com roupas e outros objetos, dentro de uma mala. Parece que estamos em viagem de férias.

10 de julho - Ainda estou na mala, embora quase todos os outros objetos já tenham sido retirados.

15 de julho - Estou novamente em casa, no meu velho lugar. Foi uma viagem cansativa. Não entendo porque tive que participar dessa viagem.

10 de agosto - Hoje fui utilizada por Maria. Ela escreveu para sua amiga e procurou um versículo para ela, pois seu pai faleceu.

20 de agosto - Novamente fui desempoeirada.

Seria esta a sua Bíblia?


"Creio que unicamente a Bíblia tem as respostas para nossas perguntas 

e que nós apenas devemos ter tempo para parar e, humildemente perguntar,
para dela receber a resposta certa."

Twitter

A paz do Senhor,

Irmãos e amigos acompanhando essa onda de divulgação via internet, estamos fazendo parte do Twitter, com prazer quero te convido a nos acompanhar no Twitter, você ficará por dentro das novidades do nosso blog, bem como as noticias da obra de Deus.

clique na imagem e nos acompanhe no twitter

sábado, 6 de março de 2010

Promessa que se cumpre...


A paz do Senhor,

Irmãos e amigos, hoje (06/03) mais uma das muitas promessas de DEUS se cumpre em minha vida. Em uma reunião do campo Eclesiástico de Cascavel, fomos convidado pelo mui digno Pastor presidente, Pr. Antonio Batista Maia, a assumir a direção da igreja Assembléia de Deus do Bairro Esmeralda em Cascavel.

Sou ciente da responsabilidade que assumimos, por isso digo....

"irmãos oreis por nós..."

sexta-feira, 5 de março de 2010

EBD - Lição 10

IMAGEM: ENOMIR SANTOS (ANANINDEUA-PA)

Estudaremos na Lição 10 o tema "Autoridade Espiritual e Ministerial", procurando extrair das circunstâncias vivenciadas pelo Apóstolo Paulo exemplos para a nossa vida, liderança e ministério.

PLANO DE AULA

1. OBJETIVOS DA LIÇÃO

-Conscientizar-se de que sem a autoridade ministerial que recebemos de nosso Senhor Jesus Cristo, jamais conseguiremos desempenhar com eficácia o serviço cristão.
-Compreender que a autoridade espiritual uma vez recebida, deve ser mantida através de uma vida de obediência a Deus e exemplar .
-Explicar o significado da palavra autoridade.

2. CONTEÚDO

Textos Bíblicos:
"Paulo, apóstolo de Jesus Cristo pela vontade de Deus [...]" (2 Co 1.1)
"Porque, se eu me gloriar um pouco mais a respeito da nossa autoridade, a qual o Senhor nos conferiu para edificação e não para destruição vossa, não me envergonharei [...]" (2 Co 10.8)
"São ministros de Cristo? Eu ainda mais: em trabalhos, muito mais; muito mais em prisões; em açoites, sem medida; em perigos de morte, muitas vezes." (2 Co 11.23)
"Portanto, escrevo estas coisas, estando ausente, para que, estando presente, não venha a usar de rigor segundo a autoridade que o Senhor me conferiu para edificação e não para destruir." (2 Co 13.10)
"Faço-vos, porém, saber, irmãos, que o evangelho por mim anunciado não é segundo o homem, porque eu não recebi, nem aprendi de homem algum, mas mediante revelação de Jesus Cristo, [...] nem subi a Jerusalém para os que já eram apóstolos antes de mim, mas parti para as regiões da Arábia e voltei, outra vez, para Damasco." (Gl 1.11,12 e 17)


O CONCEITO DE AUTORIDADE

Um dos termos gregos para autoridade é exousia, que conforme VINE (2003, p. 425-426):

"Derivado do significado de 'licença' ou 'permissão', ou a liberdade de fazer como a pessoa quiser, passou as sentido de 'habilidade' ou força com que a pessoa é dotada', e daí, ao significado do 'poder de autoridade', o direito de exercer poder (por exemplo, Mt 9.6; 21.3; 2 Co 10.8); ou ao do 'poder do império ou governo', o poder daquele cuja vontade e ordens devem ser obedecidas pelos outros (por exemplo, Mt 28.18; Jo 17.2; Jd 25; Ap 12.10; 17.13); mais especificamente fala de 'autoridade' apostólica (2 Co 10.8; 13.10) [...]."

O mini dicionário de Houaiss (2001, p. 46) define autoridade:

"1. direito de decidir ou de dar ordens; 1.1 pessoa que tem esse direito; 2. conhecedor respeitado de um assunto."

LIÇÕES SOBRE AUTORIDADE ESPIRITUAL E MINISTERIAL CONFORME O APÓSTOLO PAULO


Conforme os textos bíblicos acima citados, algumas verdades acerca da autoridade espiritual ou ministerial nos são ensinadas:

a) Deus e o Senhor Jesus são a fonte da autoridade do líder e do ministro cristão (2 Co 1.1; 10.8; 13.10).

Toda autoridade reivindicada que não seja delegada por Deus não é legítima. Deus é a fonte de toda verdadeira autoridade (Rm 13.1). Os falsos líderes, profetas e obreiros em geral que se intitulam e reivindicam autoridade, não são reconhecidos por Deus como tais (Mt 7.15-23).

b) A autoridade espiritual que recebemos de Deus e do Senhor Jesus são evidenciadas através de sinais e características presentes em nossa liderança e ministério. Esses sinais são manifestos:

- Em nossa vida espiritual. A prática constante da oração (1 Ts 5.17), o apego ao estudo das Escrituras (2 Tm 4.13), a obediência a Deus e à sua direção (At 9.1-8; 16.6-10) são marcas presentes na vida de quem da parte de Deus recebeu autoridade espiritual e ministerial;

- Em nossa vida moral. Barna (2004, p. 97) afirma que um caráter cristão íntegro é indispensável na autenticação de nossa autoridade como líder. Dentre algumas características que se espera nesta área, ele cita a verdade e honestidade, a dignidade de confiança, a respeitabilidade e, o bom conceito e o exemplo. Poderíamos acrescentar ainda a justiça e a imparcialidade. Sem estes traços em seu caráter e personalidade, o líder cristão terá a sua autoridade comprometida.

- Em nossa atividade de liderança ou ministerial. Nossa autoridade como líder ou obreiro, recebida de Deus e reconhecida pela igreja (liderança e liderados), é evidenciada também através da clareza de nossa vocação e chamada, da submissão às autoridades superiores (ninguém está apto para liderar sem antes ter aprendido a obedecer), ao respeito para com os nossos companheiros de ministério, a presença e clara percepção da unção do Espírito sobre a nossa vida, a clara manifestação das habilidades e dons espirituais no exercício da autoridade mediante a liderança e ministério nos confiados.


c) O fato de Deus e o Senhor Jesus ter nos delegado autoridade espiritual, não nos livra de sermos questionados acerca da legitimidade desta autoridade.

Duas coisas contribuíram para que Paulo tivesse constantemente a sua autoridade apostólica questionada:

- O fato de não ter andado com Jesus e entre os doze apóstolos. Aprendemos com o exemplo de Paulo (conforme os textos acima) que o fato de alguém ter sido chamado e chegado depois no ministério, não o coloca em posição de autoridade menor do que aqueles que chegaram antes, isto sendo considerada a equivalência de sua posição ministerial.

- A sua mensagem e ensino, que escandalizava os cristãos judeus mais tradicionais. Sempre que alguém surge com uma mensagem libertadora e bíblica, incomoda os cativos da tradição legalista e opressora. Como já falamos em outras situações, assim como nos dias da igreja primitiva, a tradição legalista e opressora (não falamos aqui das boas e bíblicas tradições) em muitos lugares tem autoridade igual ou superior à Bíblia sagrada. Quem tem convicção e compromisso com a sua chamada e conhece quem o chamou, não ficará intimidado ante aqueles que parecem ter mais notoriedade, mas são falhos ou limitados em suas concepções e convicções (Gl 2.11-21).

Na atualidade, muitos reivindicam a sua autoridade espiritual e ministerial através de "carteiradas" (apresentação das crendencias de ministro). Estes não entendem que a autoridade não se legitima e nem se sustenta apenas num cargo ou carteira recebida.

Outros, já desqualificados pela ausência dos sinais espirituais e por uma vida moral reprovada, querem manter a sua autoridade espiritual e ministerial na base do grito, da ameaça, do apoio recebido de outros líderes "comprados" e coniventes com as suas práticas abomináveis e pecaminosas, e nas realizações do passado, ou seja, tenta manter a autoridade com base no que já foi e no que já fez, desassociado da vida e feitos presentes. O apóstolo Paulo não apenas citava o que era e já tinha realizado, mas continuava íntegro em tudo e realizando grandes obras.

A autoridade espiritual e ministerial é sustentada e mantida com base na pleno desejo de buscar e fazer a vontade de Deus. Está fundamenta em nossa obediência ao Senhor (Fl 2.5-11).

A graça e a misericórdia de Deus é que nos outorga autoridade espiritual e ministerial, apesar de falhos e imperfeitos que somos (1 Tm 1.12-17). A sua soberania é a base de sua escolha (Sl 139.16; Is 49.1; Jr 1.5; Gl 1.15-16).

O fato de termos mais autoridade não nos torna melhores do que os quem possuem menos autoridade (1 Tm 1.15).

O exercício da autoridade espiritual e ministerial não se destina ao domínio, opressão, manipulação, exploração ou destruição dos liderados ou submissos à nossa autoridade (2 Co 10.8; 13.10; 1 Pe 5.1-4). Somos investidos de autoridade espiritual para servir e edificar (Mt 20.25-28; Rm 1.1; Gl 1.10).

3. MÉTODOS E ESTRATÉGIAS DE ENSINO
Discuta com a classe acerca da atual crise de autoridade espiritual e ministerial que tem assolado a igreja evangélica brasileira.

4. RECURSOS DIDÁTICOS
Quadro, cartolina, pincel ou giz, etc.

5. SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS
- Autoridade Espiritual, Watcman Nee, Vida.
- Bíblia de Estudo Almeida, SBB.
- Bíblia de Estudo Pentecostal, CPAD.
- Dicionário Vine, CPAD.
- Dicionário da Língua Portuguesa Houaiss, Objetiva.
- Desperte o Líder que há em Você, George Barna, CPAD.

Boa aula!

Fonte: Blog do Pastor Altair Germano

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...